Tendão de Aquiles, como tratar dores e inflamações

Raquel Castanharo alerta quanto a alongamento e fortalecimentos durante o período de crise pandêmica.

O tendão de Aquiles (atualmente chamado de tendão do calcâneo) é a estrutura que liga a panturrilha (tríceps da perna) ao osso do calcanhar. Ele é um tendão espesso, que fica propenso a inflamação e dores quando submetido a situações de sobrecarga, principalmente aquelas causadas por esforço de repetição. Considerado o ponto fraco dos heróis na mitologia grega, os corredores da atualidade parecem sofrer desse mesmo mal.

A lesão no tendão de Aquiles é muito comum em atletas amadores, por conta dos movimentos repetitivos realizados durante a atividade ou aumento súbito no volume ou intensidade da prática esportiva. Mas, existe uma maneira de evitar que o desempenho e a planilha de treinos sejam afetados. O tratamento para inflamações no tendão é feito através de fisioterapia e cuidados médicos, porém algumas dicas simples também podem te ajudar nesse período.

 

Movimente o pé antes de sair da cama

 

É comum que o tendão fique mais dolorido de manhã, logo nos primeiros passos. Isso acontece porque ele perde mobilidade durante a noite, pela pouca movimentação do pé. Para evitar esse desconforto logo ao acordar, mova o pé para cima e para baixo antes de sair da cama, de forma a mobilizar o tendão.

 

Cuidado com alongamentos e fortalecimentos

Anúncios

 

É comum que, ao perceber uma lesão, comecemos a fazer alongamentos e fortalecimentos para melhorarmos do problema. Porém, embora essas sejam medidas de fato efetivas, elas possuem um momento correto para sua utilização. Fortalecer e alongar um tendão extremamente machucado, antes de controlar o processo inflamatório, pode piorar a situação. O ideal é não os fazer se houver muita dor.

 

Fortalecer outros músculos pode ser uma boa ideia

 

Muitas vezes, a sobrecarga no tendão de Aquiles acontece devido à fraqueza de outros músculos, os quais deveriam estar ajudando na execução dos movimentos de forma harmônica. Portanto fortalecer os glúteos e quadríceps pode ser algo interessante em um momento de tratamento.

 

By Raquel Castanharo – Fisioterapeuta formada e mestra em biomecânica da corrida na USP. Realizou pesquisa em biomecânica da coluna na Universidade de Waterloo, Canadá. Trabalha com fisioterapia e avaliação biomecânica em São Paulo e Jundiaí. www.raquelcastanharo.com.br