Como foi a XVIII Minimaratona de Paraty

Se você gosta de participar de corridas de rua e não participou da XVIII Minimaratona de Paraty, neste ano, não se preocupe, você poderá participar no ano que vem, estamos combinados?

Esta corrida acontece no trecho da Rio-Santos, entre Trindade e Paraty. A largada foi às 8h no bairro do Patrimônio e a chegada na Av. Otavio Gama (Av. Beira Rio), próximo à Prefeitura de Paraty. São 18,5 Km de percurso com algumas subidas e descidas (não muitas) com um visual muito bonito da região rural de Paraty, terminando perto do Centro Histórico.

Realização e Organização: Secretaria Municipal de Esportes de Paraty

Coordenação Técnica: Corpus Eventos

Apoio: Prefeitura Municipal de Paraty – Secretaria de Esportes

Participação Especial: Tavares Turismo e Assessoria Esportiva

Anúncios

Links importantes:

https://www.facebook.com/vaiparaty/

https://www.facebook.com/tavarestur/

“A opinião de que conhece como ninguém esse mundo de corrida: Luis Eduardo Tavares, dono de uma das mais antigas e conceituadas assessorias esportivas do pais.

Euforia da largada

Há 18 anos levo pessoal para participar desta prova icônica de 18,5Km, e sempre gostei de participar por ser uma corrida diferente: a gente sai de Patrimônio e corre pela “Estrada Rio Santos” é um diferencial a mais porque não é fácil a Polícia Rodoviária interditar uma via tão importante como essa; outra coisa que essa oportunidade oferece, são os passeios pelas ruas de pedra da cidade histórica e os passeios de escuna para conhecer várias praias; trata-se de uma cidadezinha muito romântica e bucólica. Um fim de semana respirando o ar de Paraty, te renova para dar continuidade as suas atividades em São Paulo e retornar no ano seguinte.

Saindo da pousada

A organização da corrida é exemplar apesar da logística difícil, por ser uma corrida na estrada e em todos esses anos a gente vem dando todo apoio ao Claudemir Cerone, que é quem organiza essa corrida.

Uma novidade que podemos já comunicar, será a mudança para o próximo ano com novo percurso para possibilitar aos acompanhantes a fazerem uma corrida de menor percurso. Com o apoio do Secretário de Esportes de Paraty, será incluída uma corrida de 6 km.

Como aperitivo para quem não foi e gostaria de saber, é só acessar o vídeo nosso canal ” Vai Tavares” https://youtu.be/ZyGJyfv59y4  curta, e compartilhe!”

Quer ver a sua foto, então acesse os links abaixo:

https://www.facebook.com/116366562361656/posts/325156751482635?sfns=mo

https://www.facebook.com/116366562361656/posts/325149951483315?sfns=mo

 

Correr e turistar

 Bela cidade colonial, considerada Patrimônio Histórico Nacional, preserva até hoje os seus inúmeros encantos naturais e arquitetônicos.

Museu a seu aberto

Passear pelo Centro Histórico de Paraty é entrar em outra época, onde o caminhar é vagaroso devido às pedras “pés-de-moleque” de suas ruas.

As construções de seus casarões e igrejas traduzem um estilo de época e os misteriosos símbolos maçônicos que enfeitam as suas paredes nos levam a imaginar como seria a vida no Brasil de antigamente. A proibição do tráfego de automóveis no Centro contribui para esta viagem pelo “Túnel do tempo”.

A cidade foi fundada em 1667 em torno à Igreja de Nossa Senhora dos Remédios, sua padroeira. Teve grande importância econômica devido aos engenhos de cana-de-açúcar (chegou a ter mais de 250), sendo considerada sinônimo de boa aguardente.

Paisagem deslumbrante

No século XVIII, destacou-se como importante porto por onde se escoava das Minas Gerais, o ouro e as pedras preciosas que embarcavam para Portugal. Porém, com a construção de um novo caminho da Estrada Real, desembocando diretamente no Rio de Janeiro, levou a cidade a um grande isolamento econômico.

Após a abertura da Estrada Paraty-Cunha, e principalmente, após a construção da Rodovia Rio-Santos na década de ’70, Paraty torna-se polo de turismo nacional e internacional, devido ao seu bom estado de conservação e graças às suas belezas naturais.

Em sua área encontram-se o Parque Nacional da Serra da Bocaina, a Área de Proteção Ambiental do Cairuçú, onde está a Vila da Trindade, a Reserva da Joatinga, e ainda, faz limite com o Parque Estadual da Serra do Mar. Ou seja, é Mata Atlântica por todo lado.

 

Redação