Aprenda a controlar o impacto da corrida

Fisioterapeuta Raquel Castanharo cita três dicas simples que, com o passar dos treinos, vão se tornar automáticas e te ajudar a manter a saúde dos ossos e músculos

Correr sem impacto nenhum é impossível e nem seria bom. Expliquei em uma coluna passada que o choque com chão é benéfico para o controle do movimento e saúde dos ossos e músculos. Porém, impacto em exagero pode ser um problema. Ele é uma das causas de lesões em corredores, sendo associado, por exemplo, ao aparecimento de fraturas por stress e fascite plantar. Por isso, é importante controlá-lo e mantê-lo e um nível adequado. Para isso, essas três dicas simples podem ser úteis nessa tarefa:

Ajude seu corpo a te ajudar

Nosso pé e nossa panturrilha são amortecedores de impacto naturais. Eles funcionam como molas, amenizando o impacto a cada passada. Porém, para exercerem sua função, eles precisam estar fortes. Fazer exercícios de fortalecimento para panturrilha e andar descalço quando possível (ou até mesmo correr por três minutinhos) são boas práticas de treinamento. Embora o amortecedor do tênis reduza um pouco do impacto, ele não consegue fazer todo o trabalho sozinho. Sem a ajuda ativa do corpo, o impacto ficará num nível prejudicial. Sendo assim, coloque seu corpo para trabalhar também.

Corra com pouco barulho

Quanto mais silenciosa é a corrida, maior a chance do impacto estar adequado. Tire os fones de ouvido de vez em quando e ouça sua corrida.

Anúncios

Aumente a cadência

Trocar o passo rapidamente é uma estratégia que também reduz o impacto. Quanto mais passos por minutos, mais eficiente é o movimento e o funcionamentos das “molas” do corpo. A melhor cadência para você é aquela onde o pé fique pouco tempo em contato com o chão, e você se sinta confortável. Não existe um número “ideal” que se encaixe para todos os corredores.

Cuidar do impacto pode ser mentalmente cansativo no início, mas após alguns treinos tudo fica mais automático. Vale a pena tentar!

 

By Raquel Castanharo – Fisioterapeuta formada e mestra em biomecânica da corrida na USP. Contato: raquel.castanharo@gmail.com