Nilson Paulo Lima, o senhor maratona

Nilson Paulo Lima é esse menino de 65 anos, maratonista convicto, entre uma corridinha e outra abriu seu coração para os leitores do Sangue de Corredor.

Não foi simplesmente uma entrevista, cada palavra tem a entonação de um garoto que está falando de seu brinquedo favorito, mais que isso, foi postar seu legado na história que nosso site vem fazendo desde que foi lançado, no início deste ano. E QUE HISTÓRIA!

Um caleidoscópio de pura emoção

 Na maratona gosto de fatiar o percurso em 3 partes de 15k, assim o último pedaço fica menos amargo.

Nilson Lima – Dia 08/12/2018 – Amanhã a “martelada” final de uma fantástica aventura de 50 maratonas nos 50 estados USA e Washington DC… UFA… Pra viver intensamente e fazer a vida valer a pena…!!!!

Nilson Lima – Pronto feito!!! 50 Maratonas em 50 estados Americanos…!!! Uma experiência pra eternidade!!!
A próxima…?? Sempre haverá. Domingo Kona /Hilo pra celebrar a vida e para sempre Hawaii…!!!!

As vezes perseguir uma paixão é mais estimulante que a própria paixão.

Nilson Lima – Fotinha é “clichê”, mas a aventura se renova. Dobradinha do fim de semana. Connecticut e Vermont feitos..!!! É o 50States no fim..!! UFA. Chega logo Honolulu !!! Vixi…220 maratonas carimbadas..!!!

Anúncios

Nilson Lima – Sinistro… No percurso de hoje ursos pelo caminho. Ano passado um deste do vídeo atacou e matou um corredor na prova..!!! Ufa..!!! Só faltam 4 pra 15 em 35 dias.. Segue o jogo..!!!

Nilson Lima – A passagem pelo Missouri ficou marcada por um grande susto.

Pura emoção.

Enquanto comia em um restaurante, viu os celulares de todos os clientes receberem avisos de que a região seria afetada por um tornado em poucos minutos. Enquanto o mineiro se assustou com o que viria a seguir, os outros frequentadores do restaurante seguiram comendo e conversando naturalmente. “Eles estão totalmente habituados a viver com aquilo”.

Hoje Kentucky, chuva, frio e mais de 6h morro acima. Fuso horário diferente dentro do mesmo estado, 200k de carro e um voo no limite do tempo: Louisville, Atlanta, Sacramento, pois amanhã é a Internacional da Califórnia. Ah..!!! A roupa da corrida trocado no banheiro do avião e aqui estou a 10 mil metros de altura, no Wi-Fi da Delta Air, perturbando os amigos.

 

Nilson Lima – Washington-DC, no km 19 o barulho de 30 mil corredores se transforma num silêncio fúnebre, enormes fotos de soldados mortos em guerra estão enfileiradas por um Km nos dois lados do percurso, no silêncio, corredores com algum vínculo com a pessoa da foto, pára, chora e segue adiante. Em seguida um túnel de bandeiras americanas são empunhadas por voluntários por mais um km. É impossível não se emocionar com as cenas..!!!

Só joga quem treina e se é bom repete!

 Uma Maratona em sua homenagem

Qual corredor brasileiro tem uma Maratona em sua homenagem? O Nilson Paulo de Lima, tem!

Um registro para a posteridade

 A “Maratona Nilson Lima de Uberlândia” já na quarta edição, está marcada para o dia 28 de abril de 2019. Realizada no cartão postal da cidade, Teatro Municipal, a Maratona de Uberlândia – UDI 42 cresce ano a ano pois oferece, além dos 42Km, as distâncias de 5Km em corrida e caminhada para os iniciantes, Revezamento de 4×10,5Km e pelo 5º ano, a Meia Maratona com 21Km e Kids, de 6 a 13 anos.

Essa maratona é a última que vale como qualificação para a Comrades, por isso, reúne corredores de diversas regiões do país.

As inscrições estão abertas pelo site oficial: www.uberlandiacorre.com.br/evento/maratona-nilson-lima.

 Os 65 anos, por enquanto, não pesam nada em suas costas e nem impedem de traçar mais planos para novas corridas. Com o entusiasmo de um menino seguirá rodando o mundo fazendo o que gosta: correndo e aprendendo mais sobre os locais por onde passa.

Vem com a gente, conhecer um pouco deste mito das corridas…

Sangue de Corredor: Quem é Nilson Lima?

Nilson Lima: Um jovem senhor de 65 anos, que se esforça pra viver intensamente.

Sangue de Corredor: Como foi sua infância?

Nilson Lima: Tranquila, como de qualquer criança saudável. Brincando, estudando e trabalhando.

Sangue de Corredor: Porque você não se interessou por outro esporte? Se não corresse qual seria o esporte que você escolheria?

Nilson Lima: Sempre joguei futebol por lazer, mas de forma intensa, desde criança até os 40 anos. Se não a corrida outro esporte qualquer: Bike, Natacao…

Sangue de Corredor: Na corrida qual é a atividade que mais te desafia?

Faz parte do meu show

Nilson Lima: Gosto da maratona (42k)

Sangue de Corredor: O que mais te marcou até hoje?

Nilson Lima: Em 2013 o atentado na Maratona de Boston, que estava próximo.

Sangue de Corredor: O que passa pela sua cabeça no exato momento da largada de uma competição?

Nilson Lima: Divertir..!!!

Sangue de Corredor: Durante a competição, o que você faz para se manter focado nela e não desviar sua atenção para algo que um competidor esteja fazendo?

Nilson Lima: Entender a reação do meu corpo e procurar fazer o que ele me pode me proporcionar durante a prova.

Sangue de Corredor: Você se lembra de alguma corrida que você fez e que voltou mais de uma vez? Por que? Qual foi a motivação?

Nilson Lima: Maratona de Boston, estou retornando em abril pela 9ª vez e a Ultramaratona Comrades na África do Sul pela 7ª vez. São provas contagiantes, que envolve a cidade e a população, tornando-as uma atração à parte.

Sangue de Corredor: Como foi está participando da Maratona de Boston e se sentir dentro daquele horror? O que te passou pela cabeça?

Nilson Lima:  indignação terrível, como pode num ambiente festivo, de paz, apolítico, tanta maldade.

Sangue de Corredor: Qual foi o sentimento de voltar novamente a correr a maratona de Boston, depois do atentado?

Nilson Lima:  muito mais fortalecido, na certeza que as coisas boas estão acima do mal. Continuarei a ir enquanto puder.

Sangue de Corredor: Além da Maratona de Boston, qual foi a outra corrida que te marcou muito, por qualquer motivo?

Nilson Lima: A Maratona de Uberlândia que leva meu nome. Quase duas mil pessoas todos os anos, com a presença dos mais experientes amigos maratonistas de toda parte do país.

Sangue de Corredor: Você já é uma referência quando o assunto é maratona no Brasil, o que mais você ainda busca??

Correndo com amigos: Paulo Vieira e Hermom Dourado,

Nilson Lima: continuar correndo enquanto puder e o prazer em receber os amigos na Maratona Nilson Lima, que acontece todo mês de abril em Uberlândia, minha cidade.

Sangue de Corredor: O que você faz para se manter competitivo? Seja no treinamento, seja na alimentação, seja no descanso?

Nilson Lima: O básico, fazendo o “dever de casa” como deve ser feito, ouvindo os profissionais necessários com as orientações certas.

Sangue de Corredor: Você executa algo especial durante os dias que antecedem uma competição?

Nilson Lima: Alimentação adequada, descanso necessário e eventualmente faço manipulação com massagem no corpo.

Sangue de Corredor: Como é fazer uma Ultramaratona? Qual foi a mais desafiante? Quando e ande foi?

Nilson Lima:  Um esforço mental que requer uma exigência responsável na preparação. Em Missoula (Montana), num percurso radical de montanhas e muita pedra.

Sangue de Corredor: Como é o Nilson pai e esposo? Como é sua rotina?

Nilson Lima: Pai de Família normal, a corrida me tornou uma pessoa muito mais presente quando estou presente.

Sangue de Corredor: quais foram as barreiras que você teve que enfrentar para chegar aonde chegou? Qual foi o momento mais difícil? E hoje, como você se sente?

Nilson Lima: Barreira inicial é a mesma pra todo corredor ou de atividade intensa, sempre pensa em parar. O momento mais difícil é quando ocorre lesões. Felizmente não é comum eu ter problemas com lesão. Hoje com 233 maratonas incluindo 38 ultras, já estou no piloto automático.

Sangue de Corredor: Você já correu a Comrades? Como foi sua primeira vez?

Nilson Lima: Sim. Excelente, estava preparado pra isto.

Sangue de Corredor: Por que você a fez Comrades sete vezes e pretende fazer novamente, é só por causa do Green Number ou tem outro motivo complementar?

Nilson Lima: Foram 6 vezes, estou indo pra 7a. Não. Green Number é apenas um registro da 10a e pretendo continuar fazendo. Acho a prova muito envolvente, é como uma Boston ampliada.

Sangue de Corredor: Como é está voltando para o mesmo palco novamente? Seja Boston, seja Comrades, seja qual correr da for?

Correndo a Rainha das Maratonas.

Nilson Lima:  A certeza de uma emoção já vivenciada.

Sangue de Corredor: Que lembrança você tem de sua primeira maratona?

Nilson Lima: péssima. No final jurei nunca mais fazer aquilo.

Sangue de Corredor: Qual foi foi sua primeira corrida internacional, quando, qual e onde?

Nilson Lima: Maratona de Nova York, em 2004.

Sangue de Corredor: Por que a Maratona te desafia mais?

Nilson Lima: É minha zona de conforto no mundo da corrida. Consigo dominá-la à minha maneira, melhor que uma corrida de 10k por exemplo.

Sangue de Corredor: Que legado você pretende deixar para as futuras gerações?

Nilson Lima: Acho que já influenciei algumas pessoas, tenho muitos amigos conquistado na corrida, mas nada planejado sobre legado. Não deixe que desculpas como falta de tempo se tornem motivo para não treinar. Estimule pequenas metas e se dedique para cumpri-las. Lembre-se, sempre, ter o apoio de amigos com objetivos semelhantes ajuda muito.

Sangue de Corredor: O que é a corrida para você?

Nilson Lima: Diversão e estilo de vida.

Sangue de Corredor: Dizem que a corrida muda as pessoas, o que ela mudou em você?

Nilson Lima: Fisiologicamente mais qualidade de vida. Socialmente, tenho hoje mais amigos conquistados na corrida que de outra forma.

Sangue de Corredor: Como e quando você começou a correr?

Nilson Lima: Para perder peso, há 20 anos atrás. Naquele tempo não conseguia dar uma volta completa de aproximadamente 5 km no Parque do Sabiá. Com a intenção de perder peso e de ter qualidade de vida, descobri a corrida, sem imaginar que, mais de duas décadas depois, estaria competindo em maratonas e ultra-maratonas (mais de 50km)”. No início queria correr a São Silvestre, feito isto, planejei a primeira maratona que aconteceu 1998 em São Paulo. Terminei a Maratona de São Paulo dizendo que nunca mais faria aquilo outra vez na vida. Mas não demorou muito e eu já estava programando a próxima. Ai não parei mais…

Sangue de Corredor: Como é sua preparação antes de uma corrida?

Nilson Lima: Na semana da Maratona treinos leves e descanso.

Sangue de Corredor: Tem alguma corrida que você sonha em realizar? Qual e por que?

Nilson Lima: Está no meu radar a “Maratona do Sol da Meia Noite”, na Noruega pela curiosidade e as “Maratona Muralha da China”, pela importância histórica.

Sangue de Corredor: Como você concilia a família, suas atividades sociais, suas atividades profissionais com os treinos e corridas fora de sua cidade e do país?

Nilson Lima: De forma planejada, sem atropelar nada. A tecnologia hoje permite você está presente independentemente de onde este.

Sangue de Corredor: Qual foi sua mais desafiadora corrida? Por que? Onde e quando?

Missão dada, missão cumprida.

Nilson Lima: Terminei agora o “50 States Marathon Club” (50 maratonas nos 50 estados americanos). “Essa logística de ir de um estado para outro em sequência é muito estimulante. Uma aventura assim me dá tanto prazer quanto correr. Essa diversidade cultural me atrai muito. Estive em lugares que, se não fosse pela corrida, jamais iria como turista”. E sofri muito numa prova de 100k em Montana (Hotenanny 100k), dia 07/10/18, foi a prova mais difícil que já fiz.

Sangue de Corredor: Qual foi a tua motivação para fazer uma corrida em cada Estado Americano?

Nilson Lima:  Vaidade pessoal. Após completar o circuito das seis maiores maratonas do mundo (Nova York, Boston, Chicago, Berlim, Londres e Tóquio) e correr provas de 42 km em todos os países da América do Sul, senti que precisava de um novo desafio. Aí, veio a ideia de completar 50 maratonas, uma em cada um dos 50 estados dos EUA.

Sangue de Corredor: Quantas corridas você fez até hoje? Consegue quantificar, entre corridas curtas, Maratonas e ultras?

Nilson Lima: Só tenho o controle das Maratonas e ultras 233, sendo 38 Ultras

Sangue de Corredor: tem alguém que você gostaria de agradecer?

Nilson Lima: Minha esposa, Silvana que está bem na minha frente com suas aventuras no Ironman pelo mundo.

Sangue de Corredor: Quais são seus próximos desafios inéditos?

Nilson Lima: Volto em Março aos USA para fazer 10 maratonas entre os dias 30/03 a 15/04, encerrando em Boston minha 100ª no país.

Sangue de Corredor: E daqui a 10 anos, como e onde você pretende está?

Nilson Lima: Correndo por aí. Vivendo intensamente o maior tempo possível da vida.

Os amigos falando de Nilson Paulo Lima

Depoimento do Hermom Douradoo

A proposta de escrever um livro sobre o Nilson surgiu em fevereiro de 2017, logo na primeira conversa que tive com o meu orientador no curso de mestrado profissional que concluí recentemente pela Universidade Federal de Uberlândia. Em suma, a ideia era a seguinte: já que sou um jornalista que também é um maratonista amador, por que não contar a trajetória esportiva daquele atleta local com marcas tão impressionantes, ao mesmo tempo em que narrava a experiência de tentar correr ao lado dele pelos maiores tempo e distância na prova que o homenageia, a Maratona Nilson Lima de Uberlândia?

Para o projeto sair do papel, era preciso que o Nilson concordasse com ele, o que ocorreu imediatamente, assim que fiz o convite, por meio de uma mensagem enviada via Messenger – até então, éramos amigos apenas no Facebook. Em setembro do mesmo ano, ele abriu as portas de seu apartamento para uma longa entrevista que me forneceu todos os elementos iniciais para a redação do livro, tanto em termos de informações pessoais, quanto com indicações de amigos e familiares que seriam boas fontes para aquele trabalho.

Corremos juntos a terceira edição da Maratona Nilson Lima, no dia 22 de abril de 2018, e terminei a coleta de dados para o livro no dia 9 de julho, quando ele completou a marca de 200 provas oficiais com no mínimo 42.195 metros de distância.

Uma epopeia…

No Caminho eu Conto: a trajetória que transformou Nilson Lima em homem-maratona foi aprovado pela banca de mestrado no dia 20 de setembro e, posteriormente, passou por alguns ajustes que foram sugeridos pelos três avaliadores naquela oportunidade.

O resultado é um livro com pouco mais de 260 páginas, das quais aproximadamente 60 resumem em fotos as emoções vividas por mim na manhã de domingo em que completei pela quarta vez uma maratona e por Nilson, ao longo de 20 anos participando de maratonas e ultramaratonas ao redor do planeta – e tanto em eventos famosíssimos quanto em locais inóspitos.

Em breve, ele estará disponível para ser adquirido em versão impressa ou e-book pelo site Amazon.com. O lançamento oficial será em uma noite de autógrafos, em 27 de abril de 2019, juntamente com o tradicional Jantar de Massas realizado pela empresa Apuana Esportes na programação da Maratona Nilson Lima de Uberlândia.

Marcel Efraim Sakamoto

Eu e um mito

Hoje conheci uma pessoa iluminada, que me deu uma lição de vida no meio da corrida, em uns 5 minutos de conversa, quando eu já estava me arrastando. Seu nome é Nilson Paulo Lima! Por sorte, ele me encontrou no final da corrida e consegui tirar uma foto com ele. Ontem, eu disse ONTEM (02/12/2018), ele correu mais de 6 horas no estado do Kentucky, chegou em Sacramento à 1h e acordou às 3h para correr outros 42km. E estava todo sorridente no final da corrida! Sem saber, ele me deu forças para completar a corrida hoje! Obrigado, Nilson!

 

 

 

 

 

Marcos Viana Pinguim

Parabéns Nilson Lima!!! Pela enésima vez você joga por água abaixo o pré-conceito que a maioria dos esportistas, incluindo especialistas em preparação física tem em relação em ainda acreditar que o ser humano comum tem que se limitar a apenas 1 ou 2 maratonas por ano, você é a prova viva que o limite está na nossa cabeça, e reforça a famosa frase de William Shakespeare que diz “Há mais coisas entre o céu e na terra, do que sonha a nossa vã filosofia”.