Gravidas que correm, eu Rachel Pimentel corri e corro

Exercícios físicos são recomendados pelos médicos em qualquer estágio da vida. Cada vez mais, as mulheres buscam continuar as atividades mesmo durante a gravidez. Além de saúde e qualidade de vida, dessa forma elas dizem que após o parto fica mais fácil recuperar a antiga forma. Comigo foi exatamente assim. Durante as corridas ouvia muitas mulheres indagarem:

Mas você corre com esse barrigão? Não vai machucar o bebê? Está de quantos meses? Seu médico autorizou isso?

Que coragem heim…

Em toda corrida é a mesma coisa… as pessoas se assustam ou se admiram quando veem uma grávida na largada. Mas, será que eu posso mesmo continuar correndo? A resposta é um gigantesco SIM. Claro que com consciência e atenta ao meu corpo, respeitando meus limites e a nova vida que estou gerando.

Encontrando o que procuro.

Gravidez e corrida podem se juntar, e para o bem! Aquela crença de que as mulheres devem passar sua gravidez em repouso não é válida para todas. Quando descobri que estava grávida continuei treinando normalmente, e conforme a gestação foi avançando, adaptei o volume e a intensidade dos exercícios. Desde o sétimo mês, interrompi a musculação e comecei na hidroginástica (três vezes por semana), e até agora só recebi elogios do meu obstetra.

A prática da atividade física me trouxe equilíbrio, físico e psicológico, porque ajuda a relaxar, controla a ansiedade e o ganho de peso, reduz o inchaço e zera as dores musculares, principalmente na região lombar, e estes são os incômodos mais comuns entre as gestantes.

Poucas pessoas sabem que, quando criança e adolescente, eu sofria com crises terríveis de asma brônquica. Posso dizer que a corrida extinguiu os sintomas e me deu um novo pulmão. E hoje, já no oitavo mês de gestação, não precisei me preocupar em nenhum momento com esse “fantasma”. Foi assim na minha primeira gravidez, há 7 anos, e está sendo agora.

Anúncios

Quando comecei a correr, perdi a preguiça, o medo do frio, do sol e do vento, perdi peso e medidas, perdi baladas e algumas vezes, até o sono.

Mas, o mais bacana de tudo isso, foi o que eu ganhei… cresci como ser humano, ganhei disposição e autoestima, conheci pessoas incríveis, ganhei saúde e principalmente, qualidade de vida.

Nesse meio tempo, me divorciei e casei outra vez, me mudei para outro estado, troquei de carreira profissional, pessoas importantes partiram, enfim, a vida “desenrolou” e sinto que pude enfrentar tudo com mais garra e confiança em dias melhores.

A corrida me trouxe, sem dúvidas, experiências, amigos e prazeres que nunca esquecerei, e isso vale mais que qualquer troféu, medalha ou um pace foda.

A você que está lendo este artigo, te desejo disposição e prazer de viver! Vida saudável não se resume apenas em alimentação, dieta e treino, embora eles contribuam muito… mas é preciso, sobretudo, estar vivo. Respire e inspire profundamente, valorize a vida, ame, desprenda-se, desafie-se, tenha sonhos. Que você possa usufruir da boa saúde e parar de reclamar das pequenas coisas que nada agregam. Acredite e esteja motivado a vencer!

Rachel Pimentel