Diferença na capacidade física entre homem e mulher

Recentemente, vimos um caso no esporte onde uma jogadora transexual disputava o campeonato oficial da modalidade dela e se destacava nas partidas por ter uma quantidade de força muscular maior que as demais atletas. Este texto não tem nenhum objetivo de julgar a vida particular da jogadora e sim de mostrar as diferenças entre atletas masculinos e femininos nas principais capacidades físicas, tendo esta situação apenas como exemplo quando ambos os sexos competem juntos. Na Corrida de Rua, nem sempre os homens chegam na frente das mulheres nas provas, mas em outras modalidades, a diferença é nítida.

É muito comum vermos homens e mulheres correndo juntos em parques e provas, o que é muito saudável do ponto de vista recreativo. Por outro lado, quando as capacidades físicas forem analisadas de maneira quantitativa, é nítido que há muitas diferenças entre os gêneros.

Pela maior quantidade de um hormônio chamado Testosterona, a partir dos 15 anos de idade, os homens levam vantagem sobre as mulheres na capacidade física Força. De acordo com pesquisas, os homens são 20% mais fortes que as mulheres.

Uma vez que o músculo deve se tornar forte antes de ser veloz, também é possível afirmar que o homem leva vantagem na capacidade física Velocidade, se tornando mais rápidos que elas.
No quesito Resistência, por apresentar um menor percentual de gordura do que as mulheres, facilitando no momento de suportar um determinado esforço no maior tempo possível, os homens também levam vantagem frente às mulheres. Outro fator que influencia nesta capacidade é o fato da mulher apresentar o ciclo menstrual e as alternâncias dos hormônios neste período fazem com que elas levem desvantagem em alguns momentos deste ciclo. Entretanto, é possível observar em treinos e em provas que as mulheres estão se tornando mais resistentes e diminuindo a diferença para o sexo masculino. Ainda é muito difícil saber se elas irão superá-los, mas é fato que estão cada vez mais próximas dos resultados deles.

Até o momento, o sexo masculino está em vantagem em relação às mulheres, mas elas não levam vantagem perante aos homens em alguma capacidade física? Sim! Na Flexibilidade, pois o fato de ter um quadril mais largo permite que a mulher apresente valores quantitativos maiores do que os dos homens.

Com as informações acima, os homens são mais fortes, resistentes e velozes que as mulheres e elas mais flexíveis que os membros do sexo masculino. Entretanto, estas diferenças são em termos quantitativos. A boa notícia para o sexo feminino é que, qualitativamente, elas apresentam um desempenho melhor em todas as capacidades físicas referente aos homens.

Anúncios

Apesar das pesquisas mostrarem vantagens quantitativas para os homens e qualitativas para as mulheres, não é recomendável para um treinador montar um planejamento de treinos de acordo com a diferença entre os gêneros e sim ter uma periodização específica para cada pessoa, independente se ela pertence ao sexo masculino ou ao feminino. Isso deve acontecer porque algumas mulheres apresentam um condicionamento físico melhor que muitos homens e, se um dos critérios for a diferença de gêneros, elas (que apresentam desempenho melhor que de alguns homens) terão um condicionamento abaixo do que elas podem render e ficar bem longe do potencial que têm. Por isso, o treino deve ser individualizado sem levar em conta as diferenças de gêneros.

Independente se o homem corre mais rápido ou se a mulher chega na frente dele, o mais importante é que ambos pratiquem exercícios físicos. Caso se exercitem juntos, é importante lembrar da diferença que existe entre os gêneros (voltando ao caso da atleta transexual numa competição feminina do parágrafo inicial, que é mais forte que as demais meninas e leva vantagem por isso) e saber identificar qual deles é favorecido. Se ambos tiverem o mesmo condicionamento, que sejam felizes correndo ou praticando outras modalidades juntos.

Bons treinos (para eles e para elas)!!!

Marco Costa

Marco Costa

Corredor desde 1998. Graduado em Educação Física (UniFMU-2003); Pós-Graduado em Treinamento Desportivo (UniFMU-2005), Fisiologia do Exercício (UNIFESP/EPM-2006) e Administração e Marketing Esportivo (Universidade Gama Filho-2013). Treinador de Corridas de Rua, Personal Trainer e Professor Escolar para Ensino Fundamental e autor do livro "DESAFIO DO DUNGA: Superações Física, Mental e Pessoal em duas Edições", Editora 4Letras, 2016.