O encontro de três grandes corredores apaixonados pela corrida

Sangue de Corredor convidou três grandes corredores, o ultramaratonista Cordeiro Ananias Santos, a Maratonista Maria da Conceição Pires e o Maratonista João Neto,  para um bate papo informal no Restaurante do Hotel Maksoud Plaza, em São Paulo, no último dia 13/10.

Foi um encontro que possibilitou encontrar velhos amigos de corridas e conhecer pessoalmente o João Neto. O bate papo teve de tudo um pouco, simpatia, emoção, brincadeiras e acima de tudo camaradagem.

Abaixo, um breve resumo da vida de cada um deles. Leiam e descubram porque correr é um esporte que apaixona as pessoas.

Como entrei para a corrida de rua – Maria da Conceição Pires (67 anos)

Minha entrada na corrida foi por acaso. Eu estava em um momento muito difícil da minha vida e um dia, meu sobrinho que morava comigo pediu-me para levá-lo em uma corrida no Pacaembu.

Chegando lá, vi todo aquele movimento das pessoas, alegres, dando risadas, se exercitando, uma felicidade que tomava conta do ar. Naquele momento senti que era aquele ambiente que eu precisava.

Anúncios
Na Corrida, eu me encontro

Resolvi, então, me associar na Corpore e em dezembro de 2007 fiz minha primeira caminhada e corrida, a “7ª Caminhada Shalom pela Paz”. Foi uma experiencia singular. Participei dessa corrida caminhando e quando encontrava um fotografo, corria porque uma corredora que estava perto de mim falava. Esses 3,4 Km, pareceram uma eternidade para mim. A partir daí não parei mais.

Devo ter feito mais de 200 corridas, entre 5, 10, 8 milhas, 10 milhas, umas 20 meias maratonas, 7 São Silvestre. Já fiz 5 maratonas, incluindo duas participações no Desafio do Dunga, na Disney.

Hoje não conseguiria viver sem a corrida de rua. A corrida me deixa feliz e realizada. Nunca fui corredora de velocidade, de ganhar pódio, mas me sinto vencedora quando atravesso a linha de chegada.

Através da corrida fiz muitos amigos, conheci lugares que possivelmente não iria, mas a corrida me leva a correr e fazer turismo ao mesmo tempo.

Fazer a Maratona de Nova York, em 2015 foi uma oportunidade de conhecer realmente as ruas da maior cidade dos Estados Unidos e uma das maiores do mundo. Sentir aquele calor, aquela vibração, o povo na rua, a organização impecável é uma experiencia inesquecível. Corri e caminhei e consegui concluir em um bom tempo, só não vou dizer quanto tempo (rss).

Meu lema é “caminhar e correr para viver melhor”. Hoje sinto-me uma pessoa melhor, capaz e sempre pronta a fazer novos desafios.

Meus próximos desafios: uma ultramaratona e fazer o Caminho de Santiago de Compostela. Tenho muitos amigos corredores que já os fizeram e esses são meus mais novos desafios para um futuro próximo. Me aguardem…

Caminhar e correr para viver melhor, não importa a idade.

 

Deixe um comentário